Especial Rodgames – Alex Kidd

Depois do sucesso que foi o especial 25 anos de Mega Man(nesse link há todas as partes), o Rodgames prepara outro especial de outro personagem que jogadores na casa dos 30 anos lembram com muito carinho, Alex Kidd, então vamos conferir a trajetória do ex-mascote da SEGA!

Alex Kidd  é o protagonista de uma série de jogos de Video game produzidos pela SEGA entre o final dos anos 80 e início dos anos 90. O personagem e seus jogos (comoAlex Kidd in Miracle World, o jogo contido na memória do Master System II brasileiro)

inicialmente fizeram sucesso, a ponto da Sega aproveitar sua imagem como seu mascote oficial , até o surgimento de Sonic, que o substituiu. Desde então, a companhia não investiu mais em novas produções com Alex Kidd.

Antes de comecar, vamos relembrar a época e contexto da industria dos games no ano que foi lançado o jogo.

O mundo era diferente em 1985. A Nintendo dominava o mercado de video-games no Japão e começava a arquitetar uma invasão aos EUA.  Nesta época, nasceria no Japão a primeira investida do que viria a ser a maior guerra dos consoles na década de 90: a guerra Nintendo X SEGA. Tal investida? O lançamento do Master System (ou Mark III, nas terras do Godzilla) por parte da SEGA, para tentar faturar uma parte do mercado que era até então dominado pela Nintendo!

O console chegou em 1986 aos EUA, cerca de 7 meses depois do lançamento do NES (da Nintendo) por aquelas paragens. Mas era tarde demais.

Naquela época, a Nintendo já se firmava como a empresa dominante dos consoles caseiros, com contratos de exclusividade firmados com as produtoras de games da época, praticamente nenhuma produtora podia produzir jogos para o Master System da SEGA, que tinha que se virar produzindo jogos ela mesma.

Isso, aliado aos contratos firmados pela Nintendo e sua distribuidora com as lojas de departamentos da época, que diziam: “Coloque um jogo de Master System nas prateleiras e não distribuiremos o novo jogo do Mario para vocês”, simplesmente restringiam o Master System a um nicho muito pequeno de jogadores.

Como você pode presumir, o pobre Master System se ferrou em seu país de origem e em terras ianques, porém na Europa e no Brasil ele foi um grande sucesso!

Mas algo faltava no Master System: um SUPER-JOGO, que pudesse chutar a bunda das franquias da concorrente! Assim como faltava para a empresa um mascote tão carismático quanto Super Mario era para a Nintendo.

Logo, a SEGA chamou um de seus designers, o jovem Ossale Kohta, que até então só havia trabalhado na série Phantasy Star e em outros projetos menores, para desenvolver um SUPER MARIO KILLER.

Tarefa inglória? Lógico! É como se chegassem pra você neste instante: “Desenvolva um refrigerante que acabe com a Coca-Cola.”

E eis que nasce Alex Kidd in Miracle World. A Sega não poderia estar mais certa quando lançou essa pequena jóia no Master System. Nascido em 1986 no Japão, Alex Kidd in Miracle World juntou rapidamente uma legião de fãs assíduos logo no primeiro game da série, que muitos até hoje o consideram como o melhor jogo do Alex. Vamos seguir em detalhes todos os jogos da série:

[IMG]A caixinha com o cartucho, raros na época, pois o game vinha na memória do Master System II

A história é bastante simples no começo, mas se revela algo maior assim que o jogador alcança o final. Alex nasceu no planeta Aries e dedicou sete anos de sua vida estudando uma antiga técnica chamada Shellcore em um lugar chamado Monte Eterno. Shellcore permite que a pessoa quebre enormes blocos de pedra como se fossem feitos de isopor, tamanho o poder empregado num simples soco.
Um certo dia, Alex deixou o Monte Eterno e partiu pra sua cidade espiritual, talvez com o intuito de meditar um pouco. Logo, Alex era budista ou monge, ou aprendiz de algo do gênero. No caminho, encontrou um morinbundo que lhe fez uma revelação trágica: a pacífica cidade de Radactian estava prestes a ser totalmente destruída. Antes de morrer, o homem entregou a Alex um pedaço de um mapa e um medalhão com o símbolo do Sol. E é isso aí. Mais nada é dito no manual, somente que Alex partiu para Miracle World em busca de respostas.Mais adiante no jogo descobre-se que o irmão de Alex, Eagle, e seu pai, o rei Thunder, também estão desaparecidos. Essa é a premissa de Alex Kidd in Miracle World. Salvar Radactian, salvar Eagle e salvar o rei Thunder, tendo em mãos apenas um mapa velho e um medalhão com desenho do sol. Com o desenrolar da trama, descobre-se também quem está por trás disso tudo: o famigerado Janken, o Grande. Janken foi, por um bom tempo, um chefe que vivia nos meus pesadelos desde criança. Eu demorei um pouco pra chegar nele e acabar com sua raça, pois o jogo não era fácil. Aliás, ainda não é. Vamos conhecer um pouco mais suas várias fases.[IMG]
Alex e a turma dos inimigos!Miracle World é dividida em 10 estágios mais o desafio final, no Lago Craag. Aliás, aqui cabe um parênteses: o manual do jogo trazia um mapinha bem bacana de todas as fases, assim o jogador podia ir marcando até onde chegou e tentar superar sua marca em uma próxima jogada. Essa simplicidade da época me cativa até hoje. Hoje temos checkpoints e saves espalhados por todo canto, bastou passar por algum desafio mais cabeludo e TCHARAM! “Não desligue seu console”, lá está um desenho se mexendo na tela indicando que o jogo está sendo salvo. Eu não vou reclamar disso aqui, mas que essa simplicidade do Alex Kidd faz falta, isso faz.[IMG]
O mapinha com os 11 lugares de Miracle WorldA primeira fase do jogo consiste em descer o Monte Eterno pegando toda a grana que puder enquanto desvia dos abutres pelo caminho. O dinheiro em AKiMW é bem importante, com ele compram-se poderes, veículos e até vidas. Dá até pra fazer continue caso tenha 400 moedas sobrando. Após a descida do Monte Eterno, há um lago no final com alguns peixes e até um sapo gigante que atira bolinhas brancas. Tal sapo era responsável por 9 entre 10 moleques na época terem se tornado extremamente agressivos com quem quer que seja, pois morriam sempre nesse inimigo. Depois de passar pelo sufoco, nada melhor que um bolinho de arroz pra matar a fome.[IMG]
O Monte Eterno

Na segunda etapa as coisas podiam variar: dava pra seguir a pé matando tudo e coletando os saquinhos de dinheiro ou entrar na loja e comprar a motoca Sukopako, para sair pulando pela fase toda na correria. Isso dependia mais da habilidade do jogador do que do dinheiro sobrando. No final, o primeiro boss surgia e com ele um novo jeito de se enfrentar um chefe: através do Jan Ken Po! Muita gente (eu incluso) só foi saber desse lendário jogo através do Alex Kidd. Estudos indicam que ele foi inventado no final do século XIX, e se vocês adivinharem onde lhes dou um bolinho de arroz como prêmio. Pois bem, a batalha contra Gooseka é simples, mas aqui cabe uma observação: a cada RESET no console, a forma de se vencer o chefe era invertida. Se na primeira tentativa você ganhasse com PEDRA TESOURA, na segunda era com TESOURA e depois PEDRA. Descobri isso da pior forma possível, como muitos de vocês talvez…

[IMG]

Terceira etapa: a ilha do Santo Nurari. Mas antes uma passadinha no lago, pra matar uns peixes, pegar umas vidas e entrar em um baú guardado por um feroz polvo. Esse era um dos “segredos” do jogo, uma fase secreta repleta de dinheiro, mas para acessá-la era preciso habilidade pra destruir cada bolinha do tentáculo do polvo, para depois descer pelo baú e chegar até a superfície. Tarefa para ninjas ou para os abastados que compravam o pó da invencibilidade na fase anterior.

[IMG]
A clássica passagem pelo polvo e a tela repleta de dindin!

Agora sim, estamos na tal ilha e o cenário se mostra cada vez mais perigoso, com buracos cheios de lava e escorpiões andando camuflados na relva. No final dela, o tal Nurari alerta Alex para a dominação de Janken e pede para o garoto salvar Radactian. Sim, Alex Kidd tinha HISTÓRIA pra contar. Assim que o velho termina de falar, um helicóptero é dado de graça ao jogador, como sendo uma ajuda na missão de salvar Radactian. Instruções para manuseio não inclusas, mas na época estávamos acostumados a aprender na raça qualquer mecânica nova que surgisse em um jogo.

[IMG]
A arte de se saltar entre pedras e sobre lagos de fogo era aprendida na raça, e foi se aperfeiçoando em anos de treinamento

A bordo do Peticopter, agora é preciso atravessar um rio infestado de piranhas e peixes. Pelo alto, dinheiro aos montes escondidos atrás de pedras fatais pro tal helicóptero, além dos temidos abutres. Por baixo, nada muito agradável além de peixes e um novo encontro com nosso amigo peixão. Há mais um segredo aqui, só que dessa vez compromete a jogatina: um bug que trava o jogo, embaixo d’água. Na imagem eu ensino a fazê-lo, mas fique avisado que só um reset resolve nesses casos…

[IMG]
Se souber manusear o Peticopter, uma bela fortuna lhe aguarda nas alturas… ao lado, o bug do terror, descoberto por apenas 1,7% dos jogadores da época

Chegamos à Vila de Namui. Aqui é possível comprar um Peticopter, uma vida e uma cápsula A, que protege Alex dos inimigos por um certo tempo. A fase é cheia de dinheiro, a maioria claro somente alcançável com o Peticopter. Aqui somos apresentados àFlame, o foguinho invencível do jogo. Lá no fim, o velhote da fase anterior nos aplica um teste vestido de touro: basta acertá-lo várias vezes até ele desistir da brincadeira. Ele ainda informa que o irmão de Alex está no castelo de Radactian, então vamos pra lá salvá-lo, não sem antes atravessar uma caverna demoníaca e uma floresta infernal.

[IMG]
Como diz o manual: “não tente atacar a flame”… à direita, Alex enfrentando um touro bravo aos socos

Na caverna achamos a Pedra da Telepatia, útil pra saber as jogadas dos chefes no Jan Ken Po. Aliás, aqui encontramos outro deles: o Chokkinna. Bastante simples de vencê-lo com a pedra. Na floresta dá pra comprar a Sukopako, mas só o faça se for hábil o suficiente para pular em buracos estreitos cheios de espinhos fatais. Nessa fase há um subchefe, o ÚNICO no jogo todo. Depois disso tudo ainda temos que passar por um rio à bordo de uma lancha. Se bater, vai ter que ser à nado. E já aviso: no final tem um sapão guardando o bolinho de arroz. Oito bits é pra quem curte um desafio. Ou tem paciência demais…

[IMG]
A pedrinha da telepatia requer cuidado quando for pegá-la, já o subchefe na floresta não tem segredo, basta encostar nele e descer-lhe a porrada!

Fase que antecede o castelo de Radactian: tudo aqui te mata. Plantas sobem do chão, inimigos voam, inimigos andam, nuvens soltam raios e existe um sem número de foguinhos no final da fase. Conselho: compre o Peticopter e passe mais facilmente por tudo isso. Sem grana? Boa sorte! No final mais um lacaio do Janken surge, o tal do Parplin, bem fácil de se vencer, caso tenha a Pedra da Telepatia. Não pegou a pedra? Mas que azar…

[IMG]
Isso aqui serve pra testar seus reflexos mesmo…. além da paciência

Agora é hora de enfrentar o Castelo de Radactian. De início é simples, mas logo no terceiro andar surge uma travessia onde temos que medir nossos saltos. É preciso apertar o botão de leve para Alex saltar baixinho e não bater a cabeça no teto, repleto de espinhos. Eagle está numa sala preso numa jaula, para liberá-lo é preciso bater nas pedras com símbolos no alto. Eagle conta que Alex precisa pegar uma carta endereçada ao reino de Nibana, só assim conseguirá uma audiência com o rei de lá. Na primeira vez que joguei eu passei reto por essa carta. Dá pra terminar o jogo assim, caso você saiba a combinação final. Tal combinação é dada pelo rei de Nibana, assim que você entrega a carta à ele. Perceberam o um lance meio RPG no jogo?

[IMG]
Eagle e a carta secreta! Missão cumprida no Castelo de Radactian!

Mais abaixo no castelo, mais uma sala secreta. Aqui é preciso usar a habilidade de passar agachado com Alex, algo bem simples de se executar, bastando correr e se abaixar quando estiver próximo do obstáculo. Na sala secreta há uma Pedra da Telepatia, caso ainda não tenha pego nenhuma.

[IMG]
As telas mostram exatamente a posição da Pedra da Telepatia! É a última chance de consegui-la, caso ainda não o tenha feito

Goosekka volta como chefe aqui, assinalando que é realmente um jogo de oito bits. Só que agora há uma surpresa: ao perder, o chefe solta a cabeça que faz um movimento pela tela e é preciso acertá-la três vezes antes de continuar. Cada um dos chefes vai se repetindo agora, cada um com um movimento diferente.
Na cidade de Radactian (que por algum motivo só tem uma casa e mantém esqueletos dentro de pedras), há mais uma vida na loja. No final, Chokkinna reaparece e perde a cabeça (literalmente).

[IMG]
A simpática cidade de Radactian com suas caveiras dentro blocos

A próxima etapa é de arrancar os cabelos! É preciso atravessar um pântano com o Peticopter, onde cair está fora de cogitação. Há pedras vermelhas indestrutíveis por todo canto pra dificultar a passagem. O problema é que elas dificultam demais… Meu segundo game-over nesse jogo quando eu tinha meu Master foi nessa fase.

[IMG]
Eis a fase que me fez quase desistir do jogo na época…

Eu comecei a achar que era impossível vencê-la e que o jogo acabaria logo que eu passasse por ela. Ledo engano. O que pega aqui é a pura habilidade em manter o Peticopter no ar enquanto passa RASPANDO nas pedras mais baixas. Todo o segredo está no botão de pulo, que controla a altura do Peticopter.

Passei por Nibana e consegui a Pedra Hirotta. É com ela que vamos pegar a sequência final.

[IMG]
A famosa Pedra Hirotta, somente conseguida se trouxer a carta lá do Castelo Radactian

Última fase antes do castelo de Janken. Compre a moto e seja feliz. Ou passe andando e ganhe uma enxaqueca. Parplin no final é bastante simples, como mostro na imagem.

[IMG]
Parplin perdendo a cabeça

Castelo do Janken. Antes de mais nada, aqui existem dois caminhos: um difícil e outro mais difícil ainda. Por hora, vamos seguindo pelo normal, que já é difícil. Aqui é bom equipar o Anel do Poder pra ir metralhando inimigos e blocos mais facilmente. Há algumas partes aqui onde é preciso acertar diversas vezes algum bloco para abrir caminho ou algo parecido. Se estiver equipado com o Anel do Poder, pode ser que não funcione, portanto, aqui vai uma valiosíssima dica: para “desequipar” o Anel, basta usar a Pedra da Telepatia. Ela não gasta e ainda tira o anel de você. Anotaram? Não vou repetir! [IMG] !

[IMG]
Um bom desafio esse Castelo do Janken, concordam?

Chegando numa ponte onde o chão óbviamente vai se abrir, pare: aqui é a bifurcação de que falei! Se cair, há um lago repleto de espinhos, mas há uma vida para se pegar depois. Se flutuar pela ponte com a ajuda da bengala, corta-se um bom caminho. Vai da sua escolha.

[IMG]
A tela da direita mostra o que lhe aguarda se cair pela ponte da tela da esquerda…

No final, Janken surge e é a sua chance de destruir o mal por completo. O chefe é a mesma coisa dos demais, com o diferencial do ataque final: ele lança diversas pedrinhas que sobem e descem, se te tocar, adeus vida. Mas é bem simples de desviar…. ao menos hoje em dia eu acho bem simples…

[IMG]
Janken, o Grande, se preparando pra luta!

De posse da pedra da Lua e do Sol, é hora de ir atrás da Coroa. Note que até a mãe de Alex estava aprisionada, o sacana do Janken prendeu a família inteira dele…

O Lago Craag é curtinho. Caiu, passou. Só há um desafio: matar o sapão que guarda a entrada da sala final.

[IMG]
A mãe de Alex e a porta abaixo do Lago Craag… engraçado é que a mãe dele sequer é citada no enredo, causando muita estranheza de quem jogava sem um manual do lado

Agora é só ver a combinação da Pedra Hirotta e mandar ver pisando nos símbolos. Lembro até hoje que um grande amigo meu marcou tudo isso na porta da sala pra poder decorar e terminar o game. Mas aqui eu dou de lambuja pra vocês: SOL, DUAS ONDAS, LUA, ESTRELA, SOL, LUA, DUAS ONDAS, PEIXE, ESTRELA, PEIXE. Feito tudo corretamente, a COROA vai aparecer após os espinhos. Saltando todos corretamente, o jogo termina.

[IMG]
Finalmente, o final!

Engraçado que Miracle World deixa um belo gancho pra uma continuação, alegando que o paradeiro do pai de Alex ainda é incerto, mas a Sega nunca fez a continuação, até o Mega Drive sair, onde ela fez aquela bizarrice do Enchanted Castle e chamou de Alex Kidd….

Alex Kidd The Lost Stars [1988] – Master System / [1986] – ArcadesMuitos consideram Lost Stars um dos piores jogos já feitos com o Alex Kidd. Eu não tiro a razão dessas pessoas, afinal, após o estrondoso sucesso de Miracle World, a Sega nos devia pelo menos uma continuação à altura, principalmente depois daquele final cheio de ganchos e do nonsense BMX Trial. Mas ela optou por fazer uma versão para Arcades que saiu no mesmo ano de Miracle World, denominada Alex Kidd The Lost Stars. O arcade é algo raríssimo, eu mesmo desconhecia totalmente essa versão até experimentar o MAME e sua enxurrada de roms de arcades velhos. Primeiramente vou falar da versão Arcade, que veio antes da versão do Master System, que saiu dois anos depois.[IMG]
Capa, cartucho e manual de Alex Kidd in the Lost Stars, do Master System!No game ainda controlamos Alex, pelo menos. O objetivo é resgatar todas as estrelas perdidas da constelação do planeta Aries, lar de Alex Kidd. A principal característica dos arcades é que ganhamos a ajuda de uma amiga do cabeção, chamada Stella. Essa segunda personagem é utilizada pelo player 2 ao jogar o game com alguém. As diferenças acabam no sprite, sendo que são idênticos em tudo, mas não deixa de ser uma idéia diferente na série. Poderiam ter usado Eagle, mas aí acho que é pedir demais pra Sega…[IMG]
As telinhas de intro de ambas as versões, Master System e ArcadesBom, o jogo tem uma mecânica bem diferente de Miracle World: Alex pula, anda e atira um poder estranho que parece uma poeira. E só. Alguns power-ups aparecem pelo cenário randomicamente, mas nenhum deles faz alguma diferença considerável na jogabilidade. Alguns dão o poder SHOOT, que permite destruir alguns inimigos, outro dão mais velocidade, outros permitem um pulo maior, etc… No geral, é um bom jogo, mas pelo que foi Miracle World, ficou devendo muito. Na verdade podemos considerar Lost Stars uma espécie de gincana, uma corrida de obstáculos pra ver quem chega primeiro no final da fase.[IMG]
A capa japonesa mostra o jogo e todas as suas maluquices

Alex Kidd in the Lost Stars tem as mesmas fases tanto no Arcade quanto no Master System, então, pra não fazer duas matérias pro mesmo jogo, vou mesclando as imagens e mostrando os principais pontos de referência em cada uma delas. O jogo é dividido em constelações, em um círculo temos todos os símbolos do zodíaco e precisamos avançar por todos eles até terminar o jogo. Em cada fase, resgatamos uma estrela. Após a sexta etapa, as fases se repetem, mas com uma dificuldade maior, mais inimigos e perigos. Reconheço que isso é um método sujo de alongar um game, mas na época, pouca gente ligava pra isso.

A energia de Alex é medida por seu tempo, que vai se esgotando conforme encosta em inimigos. Se perder quatro vidas no Master System, voltará no início da etapa. Nos arcades são duas vidas, perdendo as duas, será obrigado a usar um continue (leia-se: colocar mais uma ficha).

O game, como é de natureza de arcade, é medido em pontos e, bem por isso, induz o jogador a fazer placares cada vez melhores. Por esse mesmo motivo, pontos são distribuídos de maneira crescente conforme o jogador se mantém vivo no game. Alguns items aumentam a pontuação também, mas o mote é se manter vivo e avançar pelas etapas.

Agora é hora de dar uma repassada em seus estágios, lembrando cada uma delas e suas particularidades.

primeira fase se passa em uma espécie de playground infantil, com pisos vermelhos em formato de dados, desenhos espalhados pelo chão, um fundo campal e diversos inimigos em formato de ursinhos, palhacinhos, cãezinhos cuspindo letrinhas, passarinhos e um balão que cospe notas musicais no final. Em um determinado trecho, é preciso passar por aqueles cabos de bondinhos, onde os mesmos também deslizam e podem te acertar. Em cada final de fase há uma espécie de chefe, onde geralmente temos que tocar o final da tela sem ser acertado. Alguns são simples, como o balão da primeira fase, outros já dão uma dor de cabeça enorme, como o chefe de Ziguratt, que lança meteoros por todo lado, te atrapalhando bastante.

[IMG]

Na versão arcade, antes de cada fase é mostrado uma figura que simboliza onde está a estrela. Essa figura aparece no final de cada fase, bastando tocá-la para terminar a mesma. No Master, a figura é mostrada no começo da fase, mas no final dela é preciso tocar a placa EXIT no final da tela para poder passá-la. Em seguida surge uma animação mostrando Alex pegando a estrela dentro da figura, como no Arcade. As figuras variam de fase a fase, sendo que algumas delas são até personagens famosos, como o Opa-Opa de Fantasy Zone, logo na segunda fase.

[IMG]
Opa-Opa dando as caras no game

Na segunda etapa atravessamos uma fábrica de robôs, onde armadilhas é que não faltam. São esteiras rolantes, robôs andando, atirando, pulando, buracos e muitos pisos falsos que se abrem assim que encostar neles. É óbvio que nos arcades a dificuldade é muito maior, pois isso faz com que o jogador dispense cada vez mais dinheiro nas máquinas. No final da fase, uma rede de choques elétricos muda a todo momento de lugar, obrigando o jogador a decorar seus movimentos pra poder atravessar chegar ao fim. Nada muito difícil, mas requer atenção.

[IMG]
Em ambas as versões, a fase da fábrica é cheia de armadilhas e locais perigosos

Terceiro estágio: a fase se passa em uma floresta cheia de coisas estranhas acontecendo. Começamos em um local plano, onde crânios surgem do chão enquanto insetos voam pelo cenário. Logo após surge um tipo de inimigo muito estranho, um carinha pelado com cabelo punk peidando crânios…. Na versão do Master ele é ainda mais evidente, sendo que os crânios saem em maior quantidade do traseiro do bizarro inimigo. As partes finais são recheadas de saltos entre árvores, plataformas voadoras cheias de inimigos tentando te furar com lanças e tiros. A reta final é composta por seres saltitantes que protegem a estrela. Nos arcades é infernal conseguir passar, já no Master a coisa é mais simples, pois são somente duas criaturas.

[IMG]
o peladão na versão do Master e o maldito final da fase no arcade: quase impossível de passar…

quarta etapa se passa no fundo do mar, com direito à Alex usando um snorkel e óculos protetores. A fase começa num cais na versão arcade e diretamente na água no Master System. Todo tipo de ser aquático aparece aqui, além dos seres imaginários também, como uma espinha de peixe viva que nada tranquilamente enquanto perfura o jogador que nada sem o devido cuidado. No Master System, mais uma vez, a fase é bem mais simples, com locais mais fáceis e menos estreitos. Nadar com Alex é mais fácil no console da Sega também, sendo que no arcade o controle do personagem é meio duro. No final, várias aguas-vivas (ou medusas) protegem a estrela, devendo o jogador desviar de tudo para alcançar a saída.

[IMG]
a fase aquática e seus problemas: o final cheio de medusas e o peixe gigante

Na quinta fase somos transportados pra era da pedra, onde dinossauros estão por todos os lados. A fase nos Arcades é bem diferente, tendo inclusive algumas etapas em uma caverna com direito à armadilhas e etc. Perto do final, uma bexiga leva Alex pelos ares pra parte mais alta da montanha, onde descemos por uma cordinha até a boca de um tiranossauro. O problema é saltar antes, visto que no arcade a movimentação é muito rápida. No Master é mais simples, sendo uma das fases mais fáceis. Em uma determinada parte é preciso subir por pedras que descem em forma de escada, por ser mais lenta de natureza, no Master System é mais simples. Na última reta, é preciso desviar de várias pedrinhas que saem de um buraco. Tanto no Master quanto nos arcades essa parte não oferece muito desafio.

[IMG]
Alex fugindo da pedra pra dar de frente com um dinossauro…. de mentira??

A penúltima etapa é a mais bizarra de todo o jogo! Ela dá a impressão que se passa dentro de um organismo, mas as criaturas existentes são estranhíssimas demais! São laranjas pela metade que caem do teto, seres que parecem grilos saltando, coisas escorrendo e cabeças de bebê rolando pelo chão! Parece inexplicável, e é! A fase, contudo, tem muitas armadilhas e é bem longa em ambas as versões. No final um desafio cabeludo no arcade e uma facilidade enorme no Master: desviar de 6 pedras que giram e sair da fase. Nos arcades requer um bocado de atenção e até sorte, no Master basta chegar correndo e passar.

[IMG]
Abstenho-me de dizer qualquer coisa… as imagens falam por si próprias…

Agora a última fase: Ziguratt! A fase é no espaço, logo, gravidade aqui não é problema, permitindo que Alex dê saltos enormes. Isso ajuda a transpor plataformas, mas atrapalha bastante ao desviar de inimigos. No arcade, meteoros caem a todo momento e rebatem no solo, fazendo disso o maior obstáculo da fase. No Master o volume de meteoros é menor e bem por isso a fase fica mais simples. A diferença crucial é que, no Master, no final temos um carinha chato que despeja um monte de inimigos na tela, dificultando chegar até o EXIT. No arcade não temos isso, basta chegar e entrar na construção final.

[IMG]
O “chefe” final na versão do Master e o peladão do espaço retornando nos Arcades

Com as 6 primeiras estrelas, uma cutscene mostra o céu e os signos das constelações resgatadas. Agora basta repetir todas as fases com dificuldade aumentada para terminar o game. Claro que não vou resumir todas novamente, basta dizer que em algumas o número de inimigos e obstáculos é bem maior.

[IMG]
As telas correspondem à metade do jogo, mas o final é a mesma coisa, apenas mostrando os signos que faltaram

E assim termina Alex Kidd in the Lost Stars, um jogo controverso, mas com ótimas músicas e desafio repetitivo.

Próxima parte, o tal do Enchanted Castle, tido como continuação de Miracle World!

Alex Kidd in the Enchanted Castle [1989] – Mega DriveNão considero Enchanted Castle um jogo ruim. Pelo contrário, ele cumpre muito bem seu papel, um sólido jogo de plataforma, com boa variedade de fases, um design bacana, itens diversos e uma duração adequada. O problema é continuar a saga de um dos melhores jogos já feitos, o Alex Kidd in Miracle World. No Master System, os controles eram sólidos, simples e eficazes. Aqui no Mega deixaram Alex muito solto, escorregadio às vezes, provocando mortes bestas que só irritam o jogador.

[IMG]
Versão européia

Tirando esse fato, o jogo é bem legal. Temos fases temáticas, temos lojas com itens, temos Jan Ken Po por todo canto e temos passagens secretas repletas de itens, moedas, sacos de dinheiro e até armadilhas cheias de bombas. Resumindo, tudo que Miracle World tinha, Enchanted Castle também tem, menos o carisma e a jogabilidade suave. Isso é um problema? Talvez pra alguns, mas isso não tira em hipótese alguma a qualidade geral do jogo.

[IMG]
Alex e suas costeletas GIGANTESCAS

A aventura toma continuidade onde Miracle World parou, com Alex procurando o paradeiro de seu pai, Rei Thunder, no manual do Master System. Após resgatar a coroa do rei, é hora de ir atrás do dono, antes que alguma coisa de ruim lhe aconteça. Agora o planeta é outro, Paperock, onde supostamente seu pai foi visto.
Alex salta, soca e agora dá voadoras também. Basta saltar e soltar o botão de pulo no alto. As voadoras são úteis para destruir inimigos aéreos, mas podem lhe matar se não souber usá-las direito. Tudo porque o controle do game é meio falho, Alex desliza demais e, juntando o fato dele não ter energia (encostou morreu), acaba frustrando mais do que divertindo em alguns momentos.

Alex começa essa aventura em Rookietown, uma cidadezinha cheia de casas onde podemos jogar, à qualquer hora, o famoso Jan Ken Po, conseguindo assim alguns itens. Aliás, falando em itens, esse é talvez o jogo da série com a maior quantidade deles, deem uma olhada no inventário de Alex:

[IMG]

A cidade é uma fase curta, mas esconde algumas passagens subterrâneas com bons itens. Na segunda etapa, podemos ganhar aSukopako logo de cara e tentar atravessar a fase inteira. Se não fossem pelos controles ruins, seria bem fácil enfrentar a fase de moto. À pé, além de ser menos perigoso, dá pra explorar o subterrâneo perto do final e conseguir algumas moedas à mais. Antes de acabar a fase, existe um desafio pra ganhar o Peticopter, mas, se querem um conselho, sigam pela água mesmo…

[IMG]
O subterrâneo esconde alguns baús, já na segunda fase, é preciso tomar certos cuidados com os inimigos

Controlar o Peticopter nesse jogo virou um desafio e tanto. Ele não voa suavemente, é preciso MOER o botão de salto pra mantê-lo no ar. Por isso seguir pela água acaba sendo mais vantajoso. Alguns peixes, tartarugas e até o nosso querido polvo fazem parte do cenário. Infelizmente, o baú que o polvo guarda não nos leva à um bônus recheado, como em Miracle World.

[IMG]
Uma pena não ter fase bônus dentro desse baú…

A fase do deserto é simples, mas tem alguns baús bacanas na parte mais alta, recheados de moedas e vidas. Para pegá-los, no entanto, é preciso ir pelo alto, onde abutres sobrevoam e cair é bem frequente. Pelo chão, escorpiões e múmias rondam o cenário.

[IMG]
Olha a festa que dá pra fazer com tanto baú espalhado na fase

Dentro da pirâmide, a maioria dos baús escondem armadilhas com bombas, logo, é bom ficar esperto. No final, temos que enfrentar a odalisca em uma partida de Jan Ken Po, onde vencer ou empatar lhe dá a vitória. Já na floresta, os inimigos estão em maior número. Um dos inimigos, inclusive, lembra muito o Jason, de Sexta-Feira 13, andando pela fase com uma máscara de hóquei. A fase é ligeiramente curta e lotada de baús na parte alta, onde abelhas fazem a festa com os descuidados. No final, mais um chefe, onde a decoreba vence fácil.

[IMG]
A “chefa” da fase da pirâmide e a floresta, à partir dela o jogo começa a ficar cada vez mais difícil

A próxima fase é Tropicstown, uma cidade bem parecida com Rookietown, à não ser pelo número maior de inimigos. Cidades são bons lugares para se conseguir itens nas casas de apostas (Jan Ken Po), mas o lance é que aqui as apostas custam 500U, ou seja: só aposte se tiver grana sobrando. Após Tropicstown, é hora de encarar uma montanha. Um dos inimigos curiosos aqui é um velhinho monge, que lembra muito o Santo Nurari, de Miracle World. Mas, como são vários inimigos iguais, acredito não ser ele. No final a batalha é contra um velhote parecido, mas que também não é o Nurari.

[IMG]
A gangue dos “santos Nurari” e o líder deles… pelo menos Alex ainda morre da mesma maneira

A segunda fase da montanha requer uma escalada enorme, com direito à pedras caindo, abutres, escorpiões e mais velhos monges se teleportando pelo cenário. Já no começo, se preferir (ou for maluco), pode ganhar um Peticopter na caverna. A subida é longa, mas nada que um pouco de calma nos saltos não resolva a parada. Após a escalada, vem uma sobrevoada OBRIGATÓRIA com o Peticopter! Basta seguir devagar, desviando dos inimigos. Se tocar um deles, adeus vida. Os mísseis do Peticopter podem ajudar, mas os balões, ao explodirem soltam um monte de bombas que podem te acertar. É uma fase infernal, de fato!

[IMG]
A escalada é fichinha perto da maldita fase do Peticopter…

Depois de tantos perigos e de passar nervoso, é hora de encarar o castelo final, o Sky Castle! A fase é ENORME, e, bem por isso, a melhor do jogo! As salas são repletas de armadilhas, inimigos e até alavancas. Muitas coisas aqui lembram o Janken Castle, do Miracle World, como plataformas de lanças que descem, partes aquáticas, cortinas de fumaça que descem entre outras.

[IMG]

Por incrível que pareça, não é uma fase difícil, mas seguir com calma pelo castelo. Às vezes a sala parece não ter saída, mas basta pensar um pouco ou pular no chão para ele se quebrar e continuar o caminho.

[IMG]
Muitas armadilhas, inimigos e salas no Sky Castle, de longe a mais inspirada fase de Enchanted Castle

No final, Alex encontra Ashra, o cara que aprontou tudo isso, com um monte de mãos e pés. A luta é no Jan Ken Po, não é muito fácil, mas após decorar alguns movimentos, fica mais simples vencê-lo. Após a derrota no jogo, ele vem pra cima na mão, jogando seus membros no pobre Alex. Se tiver, um Anel do Poder aqui vai muito bem e facilita muito o serviço.

[IMG]

Após destruí-lo, Alex encontra seu pai, chamado de Thor nesse game. E descobre que tudo não passou de um teste de Ashra, ou seja, ele não foi raptado coisa nenhuma…. Puxa vida Sega, precisava por um final besta desses? Que continuasse o Miracle World no Master System então… Alex corre, abraça seu pai e as pessoas dos dois planetas, Aries Paperock agora vivem em harmonia. THE END!

[IMG]
O bizarro final de Alex Kidd in the Enchanted Castle

Nem preciso dizer que achei esse final muito chulé. Qual é, Alex desbrava dois planetas inteiros atrás de seu pai pra descobrir que ele estava aplicando um teste em um monstro cheio de pernas e braços? Pra quê esse teste? E por quê ele simplesmente não avisou? Claro, existem ganchos que poderiam ser explicados, mas a Sega deu por encerrada a saga por aqui. Malandrinha, em?

NEXT, o esquisito e quase impossível Alex Kidd High Tech World!

Alex Kidd High Tech World [1989] – Master SystemLembro que aluguei uma vez só esse game e nunca mais toquei nele naquela época. Tudo porque eu fui mais um enganado pela SEGA, que colocava o Alex Kidd em todo tipo de tranqueira virtual, talvez se aproveitando do sucesso de Miracle World. O lance aqui é que a ação foi trocada por texto atrás de texto, com uma pitada de morte por qualquer besteira, resultando em um jogo frustrante ao extremo. Confesso que jamais terminaria isso sem um faq ao lado, então, fui atrás de um para lhes mostrar as fases desse jogo um tanto diferente na série.Tudo começa com o lançamento de um novo Arcade, na cidade vizinha de onde Alex vive. O moleque orelhudo fica contente em saber da notícia, mas não sabe como chegar até lá. Sua mãe lhe diz que existe um mapa para chegar ao local, só que ele foi rasgado em oito partes. A missão é achar todas as partes e seguir pro Arcade. Uma história pífia, simples e tosca, quando o que todo mundo queria era mais um jogo de plataforma com o personagem mais querido da Sega na época.[IMG]
Capa, manual e cartucho de High Tech WorldHigh Tech World é basicamente um RPG. No início, ao longo de todo o castelo, temos que procurar pelos benditos oito pedaços do mapa, conversando com pessoas, respondendo corretamente perguntas e saltando uma ou duas plataformas pelo caminho. A primeira coisa a ser feita é falar com o pai de Alex, na sala ao lado. Ele entrega um pedaço fake do mapa, falando com ele denovo, o moleque consegue o primeiro pedaço do mapa, dessa vez o real.[IMG]O castelo todo é dividido por escadas e portas, onde devemos entrar e falar com as pessoas. Só que o jogo segue uma ordem pré-determinada de conversações, tendo que o jogador obrigatoriamente falar com as pessoas certas nas horas certas se quiser progredir. Logo ao lado da porta onde o (suposto) Rei Thunder entregou o primeiro pedaço do mapa, existe uma escada que nos leva ao avô de Alex, chamado aqui de James, que lhe lembra sobre o teste que sua professora, Mary, precisa lhe aplicar. Aí começam os problemas pra quem, na época, não sabia lhufas de inglês.

[IMG]
James e Mary, dois dos primeiros encontros de Alex no game

A professora fica no andar de baixo, Alex pergunta se ela não viu nenhum pedaço de papel voando por aí (ele faz a mesma pergunta para todos do local) e ela diz que sim, mas só vai entregar após o teste. A primeira pergunta é sobre a capital do Japão, que é Tokyo. A próxima é sobre o nome da décima quinta fase do jogo Space Harrier. Quem conhece sabe, Space Harrier não é nenhum jogo simples, chegar na segunda fase já é um sacrifício enorme, imagine saber o nome da décima quinta…

[IMG]
Olhem o nível das perguntas….

Enfim, após responder corretamente (Vicel), vem mais uma série de questões, todas de temas variados, inclusive cálculos matemáticos, e etc. Respondendo todas corretamente, ganhamos o segundo pedaço do mapa. Agora vem uma pegadinha nervosa, James entrega mais um pedaço do mapa, mas está queimado. Se você pegá-lo, é game-over na hora! Entenderam o drama do jogo? Qualquer atitude errada, por mais correta que possa parecer, resulta em game-over. Os requerimentos pra pegar esse simples pedaço de papel queimado vão desde usar o telefone no game pra ligar pra um cara chamado Rockwell, até esperar trinta minutos (não reais, lógico) pro cara lhe entregar um item chamado Restorer lá nos andares de baixo. Com ele você consegue deixar o papel queimado no estado original novamente.

[IMG]
Tudo isso por pedaço de papel…

Por essas e outras, o jogo não foi bem recebido e muitos consideram a ovelha negra dos jogos do Alex Kidd, pior ainda que o Enchanted Castle. O próximo pedaço do mapa está lá no primeiro andar, na lata de lixo da cozinha. O quinto pedaço faz parte de um mini-jogo onde Alex precisa adivinhar o nome de meninas. Mas é tudo no chutômetro, já que são todas bem parecidas e as opções de escolha são sempre 3 nomes. Pelo menos não se “morre” ao errar, basta reiniciar o mini-jogo. Se errar, elas apenas avisam “você errou quatro nomes”, ou “três”, ou “dois”, cabendo a Alex tentar denovo até acertar.

[IMG]
Acerte a moça e ganhe a prenda

O próximo fica no relógio do terceiro andar, mas pra isso é preciso pegar uma mini-escada dentro de um vaso no quarto andar, à esquerda. São tantas tentativas e erros que não dá pra julgar quem jogou na época e apanhou feito escravo do jogo. O sétimo pedaço do mapa, por exemplo, fica com uma moça chamada Bárbara, mas antes precisamos falar com John, no terceiro andar. Ele parece ser o bibliotecário, e dará a dica que essa tal de Bárbara estava lendo um livro, e que ele notou um pedaço de papel no meio dele. Mas, como ele não se lembra que livro era, precisamos falar com Bárbara antes. Após a conversa, voltamos a falar com John e ele entrega o livro correto, conquistando o sétimo pedaço do mapa!

[IMG]

O último pedaço requer várias tentativas de conversa com dois personagens, na sala ao lado da Bárbara. No começo eles nem vão estar no local, mas após umas oito tentativas eles entregarão a última parte do mapa. Mas o jogo ainda não acabou, agora vem uma pequena parte de plataformas, coisa bem mínima, mas pelo menos, dá uma variada nessas indas e vindas pelo castelo.

Antes, no entanto, é preciso pegar a asa-delta, que fica em um cofre trancado no quinto andar. A chave está em um vaso no quarto andar, logo, a coisa é mais simples do que se imagina.

[IMG]
O mapa completo e a chave

Depois basta ir até a ponte para Alex usar a asa-delta e sair do castelo. Um password é fornecido, anote-o à todo custo.

[IMG]
Alex partindo de asa-delta e o belíssimo password, cheio de letras maiúsculas e minúsculas

A fase na floresta é dificílima. O controle de Alex nessas fases de ação é satisfatório, mas longe de ser a perfeição que era no Miracle World. Alex pula desengonçado e ataca mais desengonçado ainda. É preciso avançar pelas árvores coletando moedas e matando os ninjas pelo caminho. Se for acertado, volta lá no começo da fase. A segunda etapa é num rio, onde é preciso saltar nas pedras e matar os ninjas que pulam da água. Desnecessário dizer o quanto isso é infernal…

[IMG]
A parte dos saltos no rio é de uma dificuldade absurda…

Após esse pedaço de ação, temos uma cidade. Existem algumas lojas vendendo itens, mas nada aqui será útil, à não ser uma coisa: rezar 100 vezes no templo! Exatamente, CEM vezes é preciso fazer Alex orar no templo. Tudo pra ganhar o Travel Pass e conseguir sair da cidade. Mas o mais impressionante fica pra um detalhe: em uma das casas perto da saída da cidade, existe umapistola. Você pode pegá-la, mas ao chegar nos portões da saída, um guarda vai pedir o Travel Pass e fazer a revista em Alex. Se ele encontrar a arma, é GAME-OVER! HAHA!

[IMG]
Duas imagens distintas: uma mostrando a oração de Alex, que é preciso ser feita CEM VEZES, na outra, Alex sendo capturado por ter pego uma pistola…. provavelmente de água…

Depois de sair da cidade, é hora de encarar mais uma fase de ação, matando ninjas e desviando dos perigos pelo caminho. A parte final é lotada de minhocas, corujas, gatos pulando e ninjas voando nas árvores e soltando estrelinhas por todo lado. Todo cuidado é pouco e, se eu pudesse dar alguma recomendação, siga sempre por cima das árvores. Atravessando a floresta, Alex finalmente chega ao tão falado Arcade. E ainda elogia: “These Sega games are great!” Pois é Alex, são ótimos mesmo, mas nem todos, infelizmente.

[IMG]
OH YEAH! GREAT!

Assim termina o difamado Alex Kidd in High Tech World, um dos jogos mais difíceis e diferentes de toda a história do moleque que veio do planeta Aries.

[IMG]

Na próxima parte, vamos encarar o último jogo da série, Alex Kidd in Shinobi World!

Alex Kidd in Shinobi World [1990] – Master SystemShinobi World pode ser visto como mais uma tentativa da Sega de colocar seu principal mascote em evidência, nem que pra isso ele precise visitar outros jogos e se passar por outros personagens. Mas, por incrível que pareça, o jogo se saiu muito bem, com um controle sólido, fases bem feitas, muitas coisas secretas e uma historinha decente. Quase igual Miracle World, quase…[IMG]
manual, caixinha e cartucho com a tira azulA história é a seguinte: Alex estava feliz com sua namorada em um lugar florido, provavelmente conversando sobre a vida e sobre suas aventuras anteriores. De repente, aparece um ser maligno e rapta sua namorada, fazendo com que Alex fique sem saber o que fazer! Do mesmo modo, aparece a alma de um samurai, que ao ver o desespero do garoto, resolve ceder seus poderes à ele, transformando-o em um ninja. Motivado e fortalecido, Alex parte em busca pra salvar sua amada.[IMG]Começamos nossa aventura na cidade. A primeira tela mostra as etapas que precisamos atravessar. A segunda tela mostra o chefe e a quantidade de vidas e de fases nessa etapa. Como em Shinobi, vemos a imagem do inimigo e depois partimos pra fase em busca do sacana. A cidade é cheia de itens, inimigos, escaladas e alguns locais escondidos. Nas ruas, a primeira habilidade de Alex é testada: subir em postes e rodar, saindo feito um foguete, destruindo tudo pelo caminho. É um movimento básico, utilizado em outras etapas, em locais específicos.[IMG]
nosso primeiro alvo e Alex transformado no foguetinho

Dentro de caixas vermelhas encontramos itens, como energia, poderes e uma nova arma, a lança. Sendo uma arma de arremesso, ela é muito melhor que a espada comum. Outro item que podemos achar é um [P], que aumenta o alcance da espada, formando um arco acima de Alex que o protege contra projéteis inimigos. Uma das coisas mais bacanas do jogo é que ele imita quase tudo de Shinobi, como sons, músicas e até mesmo temáticas de fases, mas tem uma identidade toda dele, com Alex promovendo uma chacina de ninjas e inimigos copiados do jogo original. Chacina que eu digo é no melhor sentido da palavra, estamos falando de um jogo onde a violência é nula.

[IMG]
notem que até os inimigos saíram direto dos jogos do Shinobi

Das ruas pra uma construção, subimos matando homens armados e mais ninjas. No alto, todo cuidado é pouco, cair está fora de cogitação. No final entramos em um prédio ainda em reforma. Uma vez dentro do prédio, logo se nota que é preciso descer pra depois subir, pois o EXIT está no alto, mas do outro lado da parede. Ao descer, mais uma novidade: blocos quebráveis, tal qual Miracle World. Mas aqui a coisa é mais sofisticada, quebra-se blocos usando a espada. Do lado esquerda há uma vida no alto, mas é preciso escalar. Nada muito complicado, com algum treino fica até fácil dominar mais esse movimento do ninja orelhudo.

[IMG]

Saindo do prédio, é hora de enfrentar o chefe. E nesse chefe mora uma das maiores curiosidades do jogo. No game original, o chefe era pra ser o Mario e o herói, um ninja qualquer. A Sega, talvez temendo processos, resolveu mudar tudo de última hora, colocando Alex Kidd no jogo e mudando o nome do inimigo para Kabuto (antes era Mari-oh). Notem que o carinha tem bigode, fica nanico quando acertado e ainda solta bolinhas de fogo, tal qual nosso amigo encanador da Nintendo.

[IMG]
notem o Mari-Oh do lado esquerdo, até bigodinho ele tinha…. na outra foto, o inimigo final, já pequenino, lançando uma bolinha de fogo… seria o poder da Fire Flower?

A segunda etapa parece a segunda fase do Shinobi original: começamos no porto, onde ninjas saltam da água enquanto outros perambulam pelas docas. O inimigo final aqui também é igual ao do Shinobi: um helicóptero, mas dessa vez ele solta vários “filhotes” ao invés de ninjas. Já no começo encontramos uma construção onde a lança e um coração nos aguarda, lá no alto. Para pegar, o melhor é usar o poder do foguete. Saindo, mais alguns inimigos e uma vida lá no alto das pedras, guardada por um atirador. No final, entramos em um navio, onde o poder do tornado nos aguarda. Esse poder permite que Alex voe pelo cenário por um determinado tempo, destruindo tudo que encontrar pela frente. É o fim da primeira etapa da segunda fase.

[IMG]
a fase dos mergulhadores, segunda etapa no Shinobi original também

A seguir, a fase já começa dentro da água, provando que Alex sempre foi um exímio nadador. Desde Miracle World o garotinho nada feito peixe. Na primeira caixinha vermelha existe o poder [P], à seguir encontramos uma passagem secreta que leva ao subsolo aquático, com 4 vidas para pegar! A saída da fase é logo acima. O chefe é simples, bastando destruir a maioria dos “filhotes” que voam pelo ar. Com o poder [P], a coisa fica bem fácil.

[IMG]
o poder do furacão é excelente pra varrer os inimigos… no chefe ao lado, basta destruir todos os helicópteros menores

Na terceira fase nosso inimigo é o Lobster, uma espécie de lagosta gigante. A fase se passa em uma cachoeira, mas cavernas e um descampado também fazem parte do cenário. Já no primeiro buraco existe uma vida e o poder do tornado, pra poder subir depois. No alto, se dependure na corda e voe até o outro lado, entrando pela passagem estreita: ali encontra-se a lança.

[IMG]
os itens abaixo da ponte e a entrada lateral, meio difícil de acertar de primeira

Após a cachoeira, encontramos um descampado com um tipo de inimigo indestrutível! Basta seguir saltando nas plataformas até o final. No meio do caminho surge uma ajuda com o poder tornado, podendo assim atravessar um bom pedaço do cenário. A fase termina no meio de um bambuzal, seguindo pra uma caverna. Logo no início da caverna, salte à esquerda e siga por cima, em uma passagem secreta esperta com uma vida. Mais adiante, na corda que desce, vire o meteoro e atravesse a parede à direita, encontrando um atalho com um poder [P] e uma vida logo abaixo.

[IMG]
somente virando furacão pra sair vivo desse mar de bambus afiados… ao lado, notem no detalhe onde Alex está, essa passagem é um atalho e tanto pra fase

Depois do carrinho (difícil de controlar, por sinal), há uma lança antes de descer. Alex cairá na região mais funda da caverna, onde a lava está exposta e com certeza faz muito calor. Após a série de plataformas, a fase finalmente termina.

[IMG]
uma fase que começa nas cachoeiras termina praticamente em um vulcão…

O único ataque de Lobster é jogar umas coisinhas amarelas que mais parecem Cheetos do que qualquer outra coisa. Vencido, é hora de seguir pra última etapa. Nosso inimigo final é Hanzo, o ninja que raptou a namoradinha do Alex Kidd.

[IMG]
Lobster, o inimigo que solta salgadinhos

A fase toda é em uma montanha. Pra facilitar, nessa primeira etapa, caia logo no primeiro buraco e siga por baixo, passando agachado pela parede final pra coletar dois corações. Use o bastão pra subir (usando o meteoro) e entre pela porta. Do outro lado, a fase agora ganha um aspecto mais sério, com plataformas flutuantes e tudo mais. Siga sem cair e use o chão falso mostrado na imagem pra pegar os itens. Mais adiante, outro piso falso guarda uma lança e mais um coração. A fortaleza de Hanzo é a próxima etapa!

[IMG]
a última fase guarda alguns segredinhos, digamos, “aéreos”…

Na fortaleza, além de alguns obstáculos, Alex terá que enfrentar quase todos os chefes novamente. Eu disse quase, pois somente Kabuto e Lobster reaparecem. A última sala guarda uma escalada meio complicada. Se tiver dominado a arte de grudar em paredes, fica bem fácil. Se não, vá seguindo os pisos que vão sumindo até conseguir alcançar a porta no alto.

[IMG]
complicado escalar ali, mas não impossível

Hanzo ataca de três formas: primeiro ele usa o escudo, onde é preciso esperar a fração de segundos que ele desarma o escudo para acertá-lo. Em segundo, ele vira um tornadinho e vem pra cima, jogando 3 tiros juntos. Basta ficar agachado e acertá-lo sempre que chegar perto. A terceira forma ele cria clones, basta acertá-lo três vezes para destruí-lo de vez.

[IMG]
Hanzo e seus truques

Alex salva sua namorada e o espírito do samurai se retira, é mais uma missão cumprida!

[IMG]

Pra encerrar, a última parte do especial, com as aparições do orelhudo mais amado dos games em diversos jogos da Sega!

Cameos e jogos menos expressivosAlex Kidd: BMX Trial [1987]Após Miracle World, todos aguardavam algo, pelo menos, ao nível dele. A Sega fez uma bagunça e, acreditando no sucesso de um novo tipo de controle, lançou o BMX Trial com seu personagem mais famoso na época, o Alex Kidd. A mania de enfiar o coitado em todo tipo de jogo ainda iria continuar, mas com frutos mais… comestíveis, digamos assim.[IMG]
caixa com o game e o controle estranhíssimoO maior problema desse jogo está no controle, uma vez que arrumar um desses hoje em dia é raro e na época era mais difícil ainda (eu pelo menos nunca vi um desses). E pra jogar no controle normal é impossível, as setas direcionais se invertem e qualquer trombada faz com que Alex perca energia. Enfim, é um jogo que não faz o menor sentido existir.[IMG]
gráficos bacanas em um jogo…. diferenteGraficamente ele é razoável, com um bom número de cenários (inclusive em Radaxian, segundo o manual). Talvez se o tivessem feito pro controle comum o jogo tivesse tido um apelo maior e muito mais gente tivesse conseguido jogar. Pelas pistas existem power-ups que aumentam velocidade, fazem a bicicleta voar, dão vidas, energia, etc. Os inimigos não dão moleza e fazem de tudo pra te derrubar. O jogo ficou restrito no Japão, confirmando que tanto o jogo quanto o controle não foram bem aceitos.

Cameos

Alex Kidd ainda fez aparições em três jogos da Sega, digamos, mais atuais. O primeiro deles é o RPG misterioso chamadoSegagaga, lançado para Dreamcast.

Segagaga – Dreamcast [2001]

Alex é visto em uma loja, praticamente abandonado pela Sega e triste com sua vida de mascote rejeitado. Um jeito triste de mostrar a verdade, a Sega praticamente estrupiou em cima da depressão do orelhudo nessa cena. O jogo, aliás, parece ser muito bom pra quem é fã da Sega, como eu. É um RPG com a maioria dos personagens conhecidos da empresa, como Opa-Opa, Sonic e Alex Kidd. A notícia ruim é que o jogo ficou restrito ao mercado japonês, pra variar…

[IMG]
Alex Kidd, o mascote abandonado em Segagaga

Sega SuperStars Tennis – Playstation 2 / Playstation 3 / Xbox 360 / Nintendo Wii / Nintendo DS – [2008]

Após um bom tempo no ostracismo, Alex dá as caras em um jogo de tênis onde a turma da Sega se reuniu para umas partidinhas. Contudo, o personagem é secreto e liberá-lo exige algum esforço. Pra completar, em quadra o garotinho é ligeiro com a raquete, sendo um dos melhores personagens do jogo. Pelo menos isso, né Sega?

[IMG]
um tenista profissional em Sega SuperStars Tennis

Sonic & Sega All Star Racing e Transformed – Playstation 3 / Xbox 360 / Nintendo Wii / Nintendo DS / PC / Celular / Arcades – [2010]

A Sega repete o feito, dessa vez numa imitação bem feita de Mario Kart. A empresa já havia flertado com jogos de corrida ao estilo Mario Kart ainda no Game Gear, mas a franquia nunca vingou de verdade. Agora ela caprichou, trouxe personagens bacanas como os robôs de Bonanza Bros, a turma do Virtua Fighter e claro, nosso amigo Alex Kidd. O mais interessante disso tudo é que Alex vem acompanhado de sua inseparável motinha de Miracle World, a Sukopako. Em um especial no game, inclusive, ele monta no Peticopter, provando que a Sega ainda se lembra direitinho dos mais variados detalhes do personagem, só não investe nele por falta de vergonha na cara mesmo [IMG] !

Novamente, o personagem é o mais caro item a ser comprado no jogo, provando que Alex ainda tem seu valor na empresa, mesmo que irrisório. Só faltou mesmo uma pista em Radactian ou em qualquer outro lugar de Miracle World mesmo.

[IMG]
voando alto na sua Sukopako

Na continuação do jogo, Alex é destravado a partir da data de 24 de dezembro de 2012, um belo presente da Sega de natal

Alusões ao personagem podem ser vistas em algumas franquias, a saber:

  • Alex aparece na tela de teste de som (sound test) do jogo Quartet, lançado para Master System em 1987. Para vê-lo, basta, na tela de título, apertar pause quatro vezes e depois apertar o botão 1 no controle dois
  • Alex Kidd Quartet
  • O rosto de Alex aparece escondido no cenário de algumas fases de Kenseiden (Master System, 1988);
  • E aí Alex? Passeando pelo Japão feudal infestado de demônios né? Bacana...
  • Em Altered Beast (Mega Drive, 1988), aparecem o nome de Alex Kidd e de sua namorada, Stella, em duas tumbas;
  • Alex aparece como brinquedo colecionável em Shenmue (Dreamcast, 1999) e Shenmue II (Dreamcast/Xbox, 2001);
  • Alex Kidd Shenmue

E pra finalizar o RODGAMES traz para os fãs o remake da música tema de miracle world que saiu no Alex Kidd Complete album no Japão, confiram:

Tags:

About rodgames

Um jogador das antigas, que ainda continua na ativa no mundo dos videogames!

4 responses to “Especial Rodgames – Alex Kidd”

  1. Marcos says :

    Parabens pela matéria e esse remake da musica do Miracle World ficou foda!

  2. Vili Bartikevitsch says :

    Cara, revivi boa parte da minha adolescencia lendo esta matéria. Parabéns!!!

  3. Rafael de Oliveira says :

    SEGA, remake de miracle world já!!!! Uma nova aventura para novas plataformas tambem serve..

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: