“Final Atomic Buster – A Hora do Legendário”: Sobre as declarações da IBIS Capital sobre a “Morte dos Consoles”

Escrito por Legendario

Vamos para mais um excelente material do nosso amigo Legendário para o Rodgames!

Os analistas da IBIS Capital afirmaram que a próxima geração de consoles deverá ser a última. Os argumentos utilizados por eles incluem as formas de distribuição digital encontradas hoje no mercado, os jogos em flash e na internet, os jogos feitos para celular (iPhone) e o chamado “Cloud Gaming“, já noticiado por nós, que consistiria em fazer um streaming do seu jogo favorito.

Bom, vamos começar colocar dedos na ferida. Eu adoro essas previsões fatalistas que insistem em dizer que o fim está próximo, que essa é a última geração e que logo logo os games da forma como conhecemos deixará de existir… Gosto de escrever sobre isso. Primeiramente, já disseram isso diversas vezes com relação aos PC’s, dizendo que com a evolução dos PC’s os consoles seriam extintos e etc. Já lançaram Core 2 Duo e já o popularizaram há tempos e cadê a morte dos consoles? Muito pelo contrário, estão aí mais fortes. Peguei como exemplo o Core 2 Duo, mas existem e sempre existiram outros processadores melhores. Nesse ponto digo por mim e com certeza muitas pessoas concordarão: é preciso ter uma paciência de Jó para jogar no PC. Mais uma vez, sei que há muitas vantagens em se usar o PC como máquina de jogos mas exponho aqui justamente minha experiência, que me fez não optar por esse caminho. Caso haja uma história diferente e quiser compartilhar conosco, sinta-se muito à vontade. Mas vamos aos fatos que me ajudaram a desistir de usar o PC para jogar. Primeiramente, para configurar, segundo para procurar plugin. Aí o jogo não funciona, quando você vai ver o vídeo não é compatível com o jogo ou o som não funciona, aí vai configurar de novo, vai prá fórum pesquisar… ufa! Quando você configura o som e vai testar o joystik, não funciona. Vai no site da empresa procurar por plugin. Aí não funciona e você vai lá e compra outro controle, que também não funciona. Até aí eu já desanimei. Comigo, teclado e mouse não rolam para jogar, pois não consigo me adaptar de jeito nenhum! Conheço pessoas capacitadas (não são leigas) com essas queixas, que simplesmente perderam a paciência. Vejam, consoles estão aí, prontos para se jogar. É simples e fácil, basta ligar o console e pronto. Com o PC não, tem que ligar, esperar ele iniciar e depois fechar tudo e desligar… até nisso o PC é mais burocrático. Ok, sei que vou ser apedrejado pelos jogadores de PC, mas reflitam nessas coisas que eu disse, que vocês verão que tem lá sua lógica.

Bom, há jogos próprios para PC, como The Sims e Warcraft. Já tive o The Sims para PS2 e digo: é muito diferente jogá-lo no PC e jogá-lo no console. Warcraft é a mesma coisa, é um jogo próprio para PC. Da mesma forma, não me imagino ligando um PC para jogar Super Street Fighter IV (mas isso sou eu!). A conclusão desta parte é a seguinte: PC e consoles tem seu público próprio e dizer que a evolução de um irá provocar a morte do outro é bobagem.

Sobre os outros aspectos levantados pela IBIS Capital é a comparação sem pé nem cabeça que eles fazem entre os jogos feitos para consoles e os jogos feitos para celular e para web. Sobre os jogos para a web é brincadeira, né! Poxa, excluindo os MMORPG, que tem seu público cativo, dizer que um Tetris ou Mario genérico feito por um estagiário vai suplantar um God of War é demais para mim. Digo mais: esses jogos não passam nem pelo crivo dos jogos feitos para a Live / PSN. Ou vai me dizer que algum desses jogos em Flash é melhor do que um Castle Crashers ou que um Shadow Complex! Não dá, é como água e óleo, não se misturam. Já os jogos para celular, por melhores que sejam, não podem substituir em complexidade os jogos feitos para consoles.

Sobre o cloud gaming, é uma tecnologia nova e temos mais é que observar. A única que talvez possa substituir os consoles seja essa tecnologia, mas ainda assim não acho que seria por agora. Caso isso acontecesse, seria algo para 2030 pelo menos. Até lá, teríamos mais outras 2 gerações.

Bem, concluindo. Quando os analistas da IBIS Capital falam sobre games parece que eles não entendem bulhufas do que estão falando, pois prevêem o crescimento de certas mídias que nada ou pouco tem a ver com os jogos feitos para consoles. Principalmente para os chamados hardcore gamers, que curtem ação, história, inovação, diversão e etc…

São jogos feitos para públicos diferentes, jogados em momentos distintos. Dizer que um substituirá o outro é meio impreciso. Outra coisa: os analistas falam que os grandes investimentos realizados nos jogos são arriscados e que no futuro os pequenos investimentos (e mais seguros) predominarão. Outra inverdade, pois hoje em dia a indústria dos games está em franca ascensão. Então, no final, acho que eles deveriam passar mais tempo a frente de um console para ver o que ele tem a oferecer, para eles perceberem que é justamente esse investimento que todos esperam, pois hoje em dia o mercado está muito mais exigente. Deveriam perceber que pequenos investimentos têm pequenos retornos, quando há esse retorno. Faço uma pequena pergunta, depois disso tudo: será que nessa IBIS Capital não trabalha um certo “especialista” em games chamado Michael Pachter?

Tags: , , ,

About rodgames

Um jogador das antigas, que ainda continua na ativa no mundo dos videogames!

4 responses to ““Final Atomic Buster – A Hora do Legendário”: Sobre as declarações da IBIS Capital sobre a “Morte dos Consoles””

  1. Henrique R. Sobrinho says :

    Legendario é o escritor do grupo hasuhasuhas

  2. Darkness says :

    Muito bom!

  3. Rafael de Oliveira (HMAL) says :

    Concordo!

    De fato existem jogo criados para pc, e tirando raras exceções, eles não ficam bons quando convertidos para consoles. Porém o oposto é bem mais frequente, por mais que sejam multi plataforma, a enorme maioria de títulos é pensada e feita para consoles com uso de joysticks, claro!
    Cada categoria de jogo deve se manter no equipamento alvo!

    Além do mais, os consoles possuem um seguro contra morte chamado “exclusividade”. Podem ficar com tecnologia obsoleta, como a geração atual está, que mesmo assim continuarão vendendo.
    No dia que ver Halo, GOW ou Mário nos pc’s, eu mudo de nome. E no dia que isso acontecer, se acontecer, será alguma coletânea de “Melhores do século passado” e não estarei mais vivo!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: